top of page

DIA QUEIJO, 20 DE JANEIRO “QUEIJO DO REINO” – UMA TRADIÇÃO QUE SE PERDE

O Queijo do Reino foi o primeiro produto industrial do ramo de laticínios do país. Foi criado a partir da segunda metade do século XIX, quando o gado Holandês foi introduzido na raiz da serra da Mantiqueira, atual região que engloba municípios de Santos Dumont, Antônio Carlos, Eubank da Câmara, Bias Fortes, Lima Duarte e Juiz de Fora, pelo empreendedor português, Carlos Pereira de Sá Fortes.

Surgiu, baseado no originário “Edam”, introduzido pelo mestre queijeiro Alberto Boeke, um holandês que vislumbrou a região da Mantiqueira como propicia para produção desses queijos especiais. Boecke associou-se à Sá Fortes resultando em 1888, na primeira fábrica de laticínios do Brasil, a Companhia de Laticínios da Mantiqueira, com equipamentos importados da Holanda e introduzidos pelos ilustríssimos mestres queijeiros Gaspar Jong, João Kingma e J. Etienne, os quais ficam raízes definitivas no Brasil. A origem da expressão "do Reino" é atribuída aos produtos oriundos de Portugal.

Com o tempo surgiram as fábricas que produziam as marcas “Palmyra” e “Borboleta” ambas em Santos Dumont e a Jong em Lima Duarte, as principais.

Características do Queijo Reino tradicional: apresenta-se mais seco e firme, de sabor pronunciado e coloração mais intensa, apresentando textura fechada à pequenas olhaduras, ovaladas, regulares e distribuídas.

Os métodos de produção utilizavam o "soro fermento", princípio ativo da fermentação lática e formação das características (atribuídas a cepas nativas) somadas ao processo de maturação em temperatura ambiente (20 a 22º C), por um período de até 90 dias. Eram produzidos em pequenas fábricas instaladas nas fazendas e enviados às matrizes, nas cidades, onde eram selecionados e embalados. Os especialistas determinavam a qualidade pelo som obtido com batimentos nos queijos e conseguiam estabelecer que, os queijos com muitos “olhos” ou buracos eram considerados de 2ª ou de 3ª e embalados mais simples e vendidos mais baratos os sem furos, de 1ª erm acondicionados em latas de folha de flandres muito elaboradas e eram mais caros. O queijo do Reino era vendido em todo o Brasil, sendo o Nordeste um dos principais consumidores.

Esse produto continua sendo encontrado no mercado, mas, produzido industrialmente, dentro das normas do SIF, mas, longe de ter a qualidade e a história daqueles originais.

Será que ainda dá para restabelecer a tradição de produção desse produto típico da região do “Pé da Mantiqueira”? Resgatar a maneira de fabricar artesanalmente e com alta qualidade como era feito em tempos passados?

Seria através de uma cooperativa de pequenos produtores com uma central de embalagem, com o apoio da Lei 13.680/18, que cria selo estadual para permitir a comercialização em todo o país de produtos artesanais com origem animal. A região do “pé serra da Mantiqueira” teria sua denominação de origem, ou REGIÃO DEMARCADA, pois só ali existem as condições geográficas e climáticas para esse queijo pode ser produzido. Geraria muitos empregos e muita riqueza.

Luiz Antônio Stephan

Bel. Em Comunicação Social, PP

Empresário aposentado do ramo de Carnes.

Ex presidente da Associação Comercial e do Sindicomércio



1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

CLIQUE E  LEIA 

bottom of page