HISTÓRIA DO BRASIL CRONOLOGIA

Home
safe_image.jpg

SÉCULO XV

7 de junho de 1494: Assinatura do Tratado de Tordesilhas, no qual Portugal e Espanha dividiram entre si o mundo por descobrir.
SECULO XVI

26 de janeiro de 1500: O navegador espanhol Vicente Yáñez Pinzón desembarca no Cabo de Santo Agostinho e torna-se o primeiro europeu a chegar ao Brasil.

15 de fevereiro de 1500: O navegador português Pedro Álvares Cabral é nomeado o capitão-mor da armada portuguesa por D. Manuel.

9 de março de 1500: A frota de Pedro Álvares Cabral parte da praia do Restelo, em Lisboa, Portugal.

 

Descobrimento


22 de abril de 1500: Pedro Álvares Cabral e sua frota avistam terras brasileiras neste dia, desembarcando apenas no dia seguinte. É chamado como o Descobrimento do Brasil.
23 de Abril de 1500: Pedro Álvares Cabral chega ao Brasil, tomando posse da terra em nome da Coroa Portuguesa.

26 de abril de 1500: É celebrada a primeira missa no Brasil.

1 de maio de 1500: Portugal toma posse da terra. É celebrada a segunda missa no país. Pero Vaz de Caminha envia carta ao rei de Portugal, D. Manuel, dando notícia do descobrimento.

2 de maio de 1500: Caravela portuguesa comandada por Gaspar de Lemos parte para Lisboa levando a carta de Caminha.

5 de maio de 1500: Pedro Álvares Cabral continua sua viagem para as Índias.

27 de abril de 1500: Mestre João, da frota de Pedro Álvares Cabral, pisa em terras do Brasil onde faz observações astronômicas.

13 de julho de 1501: A expedição marítima de Pedro Álvares Cabral regressa para Lisboa, após a descoberta do Brasil e da visita à Índia.

16 de agosto de 1501: O Cabo de São Roque é descoberto.
4 de outubro de 1501: A frota de André Gonçalves e Américo Vespúcio descobre o rio São Francisco.
1 de novembro de 1501: A Baía de Todos os Santos é descoberta no litoral brasileiro.

1 de janeiro de 1502: A Baía de Guanabara é descoberta pelo explorador português Gaspar de Lemos.
6 de janeiro de 1502: Angra dos Reis é descoberta por André Gonçalves.

20 de janeiro de 1502: A Ilha de São Sebastião é descoberta por Américo Vespúcio.

22 de janeiro de 1502: A expedição marítima de Américo Vespúcio chega em São Vicente.

10 de agosto de 1503: Américo Vespúcio chega em Fernando de Noronha.

1509: Diogo Álvares Correia (O Caramuru) funda o primeiro estabelecimento português no Brasil.

13 de dezembro de 1519: Fernão de Magalhães chega ao Rio de Janeiro.

9 de dezembro de 1522: Chega à cidade de São Salvador, na Bahia, D. Pedro Leitão, segundo bispo do país.

1530: Expedição colonizadora de Martim Afonso ao Brasil.

- Dom João III institui o regime de capitanias hereditárias. Expedição colonizadora de Martim Afonso ao Brasil.

31 de janeiro de 1531: Martin Afonso de Sousa chega ao Brasil.

13 de março de 1531: Martin Afonso de Sousa chega à Bahia em sua expedição colonizadora.
30 de abril de 1531: Martin Afonso de Sousa chega à região da Guanabara que hoje é o Rio de Janeiro.
22 de janeiro de 1532: São Vicente é fundada por Martim Afonso de Sousa e torna-se a primeira vila do país.

28 de setembro de 1532: Carta de D. João III a Martim Afonso de Sousa informando a intenção de povoar a costa brasileira.

1534: Início da escravização dos índios no Brasil.

1 de janeiro de 1534: O Brasil é dividido em capitanias hereditárias. Início da colonização sistemática.
10 de março de 1534: A Capitania de Pernambuco é atribuída a Duarte Coelho por D. João III.

9 de março de 1535: Duarte da Costa chega ao Brasil.
12 de março de 1535: Olinda, cidade do Pernambuco, é fundada por Duarte Coelho.
12 de março de 1537: Recife, capital do Pernambuco, é fundada.

28 de maio de 1537: Bula do Papa Paulo II contra a escravização dos índios.

13 de fevereiro de 1542: O Rio Amazonas é descoberto pelos conquistadores espanhóis Gonzalo Pizarro e Francisco de Orellana.

1543: Brás Cubas funda a primeira Santa Casa do Brasil.
26 de setembro de 1545: Ocorre a primeira produção de açúcar brasileiro.

17 de dezembro de 1548: O Governo-Geral é criado por D. João III com o intuito de centralizar a administração da Colônia.

7 de janeiro de 1549: Carta Régia de D. João III de Portugal criando a Governança Geral do Brasil sediada em Salvador, Bahia. Tomé de Sousa assume o primeiro governador-geral do Brasil.

29 de janeiro de 1549: O Governo Geral é instituído pela Carta Régia.

29 de março de 1549: Tomé de Sousa chega à Bahia. A cidade de Salvador, atual capital da Bahia, é fundada e torna-se a primeira capital brasileira. Os primeiros jesuítas chegam ao país.

1550: Chega a Salvador a primeira leva de escravos africanos.

25 de fevereiro de 1551: Dom Pedro Fernandes Sardinha é eleito o primeiro bispo do país.

8 de setembro de 1551: Vitória, capital do Espírito Santo, é fundada.

22 de junho de 1552: Dom Pedro Fernandes Sardinha toma posse como primeiro bispo do país.
1 de março de 1553: Duarte da Costa assume o governador geral do Brasil em substituição a Tomé de Sousa.

9 de junho de 1553: Manuel da Nóbrega é nomeado provincial dos jesuítas no país.

23 de junho de 1553: Dom Pedro Fernandes Sardinha chega a Salvador.

9 de julho de 1553: A província eclesiástica do Brasil é criada por Inácio de Loiola.

13 de julho de 1553: José de Anchieta chega à Bahia.
25 de janeiro de 1554: Reza-se a primeira missa no Pátio do Colégio de São Paulo onde é fundado pelos padres Manuel da Nóbrega e José de Anchieta, dando origem à Cidade de São Paulo, atual capital do Estado de São Paulo.

10 de novembro de 1555: A esquadra francesa de Nicolas Durand de Villegagnon chega ao Rio de Janeiro para fundar a França Antártica.

2 de junho de 1556: Dom Pedro Fernandes Sardinha renuncia à função de bispo.

23 de julho de 1556: Mem de Sá é nomeado governador geral do Brasil por Carta Régia.

1556: Proibição oficial da Coroa espanhola quanto ao emprego das palavras "conquista" e "conquistador".
28 de dezembro de 1557: Mem de Sá chega a Salvador, Bahia.

4 de janeiro de 1558: Mem de Sá assume o governador o governador-geral.

29 de março de 1559: A Coroa Portuguesa promulga o alvará que oficializa e regulamenta o tráfico negreiro.

3 de agosto de 1559: Moradores pode negociar com os índios as ferramentas definidas no Alvará.
16 de março de 1560: Os franceses são expulsos na Ilha de Villegaignon.

5 de maio de 1563: Os padres Manuel da Nóbrega e José de Anchieta chegam a Iperogi.

1 de março de 1565: A cidade do Rio de Janeiro é fundada por Estácio de Sá, sobrinho do governador-geral Mem de Sá.

20 de janeiro de 1567: Vitória de Estácio de Sá sobre os franceses no Rio de Janeiro.

20 de março de 1570: Carta régia de D. Sebastião garantindo a liberdade dos índios. Mas as leis não são suficientes para conter os ataques e violências contra os índios.

1571: D. Sebastião decreta que somente navios portugueses transportem mercadorias para o Brasil.
22 de novembro de 1573: A cidade de Niterói é fundada.
1580: Início do domínio espanhol, também chamado União Ibérica. Prolonga-se até 1640.
19 de abril de 1581: Início do domínio espanhol no país.
1 de julho de 1582: A Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro é fundada pelo Padre José de Anchieta.
12 de abril de 1585: Os padres franciscanos chegam ao país.

5 de agosto de 1585: João Pessoa, capital da Paraíba, é fundada por João Tavares.

2 de setembro de 1587: A Argentina registra a primeira exportação de tecidos e cobertas de lã, lenços, chapéus, peles caprinas e couros bovinos com curtição artesanal para o Brasil
11 de novembro de 1595: Lei de Filipe II proíbe a escravização dos índios.

25 de dezembro de 1599: A cidade de Natal, capital do Rio Grande do Norte, é fundada.

SECULO XVII

31 de dezembro de 1601: Lei abole a escravidão indígena do Brasil.

5 de junho de 1605: Provisão real concede ampla liberdade aos índios.

30 de julho de 1609: D. Filipe II expede alvará que liberte os nativos brasileiros, os índios.
10 de setembro de 1611: Lei reconhece o cativeiro de índios aprisionados ou cativos de outros índios, estabelecendo a liberdade para os demais índios.
6 de setembro de 1612: Os franceses liderados por Daniel de La Touche, na tentativa de construir uma colônia em terras brasileiras invadem o Maranhão efundam a França Equinocial.

8 de setembro de 1612: Franceses fundam o forte de São Luís, dando origem da cidade São Luís, atual capital do Maranhão.

19 de novembro de 1614: Batalha de Guaxenduvas.
27 de novembro de 1614: Capitulação dos franceses no Maranhão.

4 de novembro de 1615: Franceses são expulsos no Maranhão.

12 de janeiro de 1616: Belém, atual capital do Pará, é fundada por Francisco Caldeira de Castelo Branco.

11 de abril de 1619: A primeira imigração açoriana chega ao Brasil.

3 de junho de 1621: A Companhia das Índias Ocidentais é criada pelos holandeses.
13 de junho de 1621: Os Estados do Brasil e do Maranhão são as unidades administrativas criadas pelo rei Filipe III de Espanha.
20 de outubro de 1621: Alvará da Coroa portuguesa proíbe negro, mulato ou índio de exercer a profissão de ourives no país.
9 de maio de 1624: Invasão holandesa em Salvador, Bahia.

1625: Os holandeses são expulsos da Bahia.
8 de janeiro de 1627: A acumulação de cargos públicos é proibida por alvará.

14 de fevereiro de 1630: Início da fase de resistência às Invasões holandesas no país.

16 de fevereiro de 1630: Tropas holandesas entram em Olinda, Pernambuco.

12 de setembro de 1631: Batalha Naval dos Abrolhos.
24 de novembro de 1631: Olinda é incendiada pelos holandeses.

5 de dezembro de 1631: Frota holandesa chega à Paraíba.
12 de dezembro de 1633: O Forte dos Reis Magos é capitulado no Rio Grande do Norte, frente às tropas holandesas.
1635: É liquidada a resistência luso-brasileira comandada por Matias de Albuquerque.
25 de outubro de 1636: O conde holandês Maurício de Nassau parte do porto de Texel rumo ao Recife.

17 de novembro de 1636: O general brasileiro Henrique Dias vence a batalha decisiva contra os holandeses.

23 de janeiro de 1637: O conde holandês Maurício de Nassau chega ao Recife.

18 de fevereiro de 1637: Batalha de Porto Calvo.
1637: Maurício de Nassau chega ao Brasil e inicia sua habilidosa administração.

-D. João IV restaura o trono português pondo fim ao domínio espanhol.

26 de maio de 1640: Jorge de Mascarenhas, marquês de Montalvão, assume o vice-rei.

1 de dezembro de 1640: Fim da União Ibérica.
11 de março de 1641: Batalha de M'Bororé.
31 de março de 1641: Primeiro carnaval na cidade do Rio de Janeiro.

1 de abril de 1641: Amador Bueno da Ribeira é aclamado Rei do Brasil como o D. João IV.

16 de abril de 1641: A junta governativa provisória, composta por Pedro da Silva, Luís Barbalho Bezerra e Lourenço de Brito.

26 de julho de 1642: A expedição francesa, chefiada por Daniel de La Touche, chega ao Maranhão.
28 de fevereiro de 1644: Holandeses abandonam São Luís do Maranhão, que volta ao domínio português.
6 de maio de 1644: Desentendendo-se com a Companhia das Índias Ocidentais o conde Maurício de Nassau renuncia ao cargo do governo da capitania de Pernambuco.

22 de maio de 1644: O conde Maurício de Nassau retorna à Holanda.

7 de abril de 1645: Miguel Cardozo torna-se o primeiro advogado judeu no país.

15 de maio de 1645: Dezoito líderes insurretos pernambucanos assinam compromisso para lutar contra o domínio holandês capitania do Pernambuco.
13 de junho de 1645: Insurreição Pernambucana.
3 de agosto de 1645: Batalha do Monte das Tabocas (Invasões holandesas do Brasil).

27 de outubro de 1645: O título do Príncipe do Brasil é criado pelo rei João IV de Portugal em favor de seu filho mais velho e herdeiro Teodósio.
24 de abril de 1646: Batalha de Tejucupapo (Invasões holandesas do Brasil).

6 de julho de 1647: A impressão de livros e jornais no país é proibida por carta régia.

13 de janeiro de 1648: Francisco Barreto de Menezes chega ao país para tomar o comando do exército em Pernambuco.

1648: Primeira Batalha dos Guararapes em Pernambuco, em que o exército português vence o exército holandês no Brasil. Esta batalha marca o surgimento do Exército Brasileiro.

19 de fevereiro de 1649: Segunda Batalha dos Guararapes.

10 de março de 1649: A Companhia Geral do Comércio do Brasil é fundada por D. João IV
1654: Os holandeses assinam sua rendição na Campina da Taborda.

26 de janeiro de 1654: Os holandeses são expulsos do Recife. Fim da invasão holandesa no país.
6 de agosto de 1661: Portugueses e holandeses assinam um tratado de paz, em Haia, que reconhece a soberania de Portugal sobre a vila do Recife.
20 de março de 1662: Lei é promulgada, proibindo a escravidão dos índios.

25 de janeiro de 1663: Os Correios são criados.
21 de julho de 1663: Vasco de Mascarenhas, conde de Óbidos, assume o vice-rei.
13 de junho de 1667: Alexandre de Sousa Freire assume o governo-gral.

1674: Bandeira de Fernão Dias Pais Leme parte em direção ao sertão de Minas Gerais.
16 de novembro de 1676: É criada a Diocese de Olinda. A Diocese de São Salvador da Bahia é elevada à categoria de arquidiocese e a Prelazia de São Sebastião do Rio de Janeiro à categoria de diocese pelo Papa Inocêncio XI.

1 de abril de 1680: Abolição da Escravidão dos Índios.
31 de julho de 1680: D. Frei Gregório dos Anjos assume como primeiro bispo do Maranhão.

23 de março de 1681: A cidade de São Paulo é elevada a capital de capitania.

13 de junho de 1682: D. José de Barros Alarcão torna-se o primeiro bispo do Rio de Janeiro.

25 de fevereiro de 1684: Início da Revolução de Beckman, no Maranhão.

4 de junho de 1684: António Luís de Sousa Telo de Meneses, marquês das Minas, assume o governador-geral.

1684: Explode, no Maranhão, a Revolta liderada pelo senhor de engenho Manuel Beckman.
4 de junho de 1687: Matias da Cunha assume o governador-geral.
1690 a 1695: São encontradas as primeiras jazidas de ouro no Brasil.

29 de março de 1693: Curitiba, capital do atual Paraná (então parte de São Paulo), é fundada.

6 de fevereiro de 1694: A capital de Palmares é destruída e o líder Zumbi ferido.

8 de março de 1694: A primeira Casa da Moeda do Brasil é criada pelos governantes portugueses na cidade de Salvador, Bahia.

22 de maio de 1694: João de Lencastre assume o governador-geral.
20 de novembro de 1695: Zumbi, o último dos líderes negros dos Quilombo dos Palmares, é morto pelas tropas do bandeirante Domingos Jorge Velho na atual cidade de Viçosa, Alagoas.

19 de dezembro de 1695: A lei proíbe que as moedas de ouro da metrópole circulam em qualquer das capitanias do Brasil.

20 de fevereiro de 1696: Carta-régia proíbe que escravas usem vestidos de seda ou objetos de luxo.
16 de julho de 1696: O ouro é descoberto pelo coronel Salvador Fernandes Furtado de Mendonça no Ribeirão do Carmo, atual cidade de Mariana, Minas Gerais.

13 de fevereiro de 1699: É criada a primeira vila no Ceará, Aquiraz.

SÉCULO XVIII

1701: É proibida a criação de gado numa faixa de dez léguas a partia do litoral.
1702: É criada a Intendência das Minas, tendo como função básica distribuir terras para a exploração do ouro e cobrar tributos para a Fazenda Real.

3 de julho de 1702: Rodrigo da Costa assume o governador-geral.
8 de setembro de 1705: Luís César de Meneses assume o governador-geral.

1703: Portugal e Inglaterra assinam o Tratado de Methuen (Tratado dos Panos e Vinhos), que teve importante repercussão na vida

8 de setembro de 1705: Luís César de Meneses assume o governador-geral.

1708: Tem início a Guerra dos Emboabas.

8 de agosto de 1709: O padre luso-brasileiro Bartolomeu de Gusmão faz o primeiro voo de um balão de ar quente.

15 de fevereiro de 1710: Explode a Guerra dos Mascates, conflito entre os senhores de engenho de Olinda e os comerciantes de Recife.

3 de maio de 1710: Lourenço de Almada assume o governador-geral.

8 de julho de 1711: O arraial de Ouro Preto é erigido em Vila Rica.

11 de julho de 1711: A vila de São Paulo é elevada à categoria de cidade.

22 de setembro de 1711: Tropas francesas ocupam o Rio de Janeiro.

10 de outubro de 1711: Temeroso dos invasores franceses, Francisco de Castro Morais assina a rendição do Rio de Janeiro.

14 de outubro de 1711: Pedro de Vasconcelos e Sousa é governador-geral.

18 de dezembro de 1711: O Seminário de Belém é fundado em Cachoeira, na Bahia.

1711: Fim da Guerra dos Mascates.

11 de abril de 1713: Tratado de Utrecht (a França aceitava o rio Oiapoque como limite entre a Guiana e o Brasil).

8 de dezembro de 1713: É instalada a Câmara da Vila de São João del-Rei, até então Arrial do Rio das Mortes.

14 de outubro de 1714: Pedro António de Meneses Noronha de Albuquerque Marques dede Angeja, assume o vice-reinado até 11 de junho de 1718.

1715: Tratado de Utrecht (a Espanha concordava em devolver a Colônia do Sacramento a Portugal).

21 de agosto de 1718: Sancho de Faro e Sousa, conde de Vimieiro, assume o governador-geral até 13 de outubro de 1719.

8 de abril de 1719: Cuiabá, capital do Mato Grosso, é fundada.

14 de outubro de 1719: A junta governativa provisória, composta por Sebastião Monteiro de Vide, Caetano de Brito e Figueiredo e João de Araújo e Azevedo.

23 de novembro de 1720: Vasco Fernandes César de Meneses, conde de Sabugosa, assume o vice-rei.
2 de dezembro de 1720: A Capitania de Minas Gerais é criada e desmembra-se da Capitania de São Paulo e Minas de Ouro.

12 de dezembro de 1720: A Capitania de São Paulo é criada.

1720: São criadas as Casas de Fundição, onde todo o ouro deveria ser levado para a transformação em barras. Ao receber o ouro, as Casas retiravam a parte correspondente ao imposto (quinto). Nesse mesmo ano, explode a Revolta de Vila Rica, em protesto contra a criação das Casas de Fundição.

24 de janeiro de 1726: Lei proíbe aos homens de cor a ocupação de cargos ou empregos públicos.

23 de março de 1726: Florianópolis, capital de Santa Catarina, é fundada.

13 de abril de 1726: Fortaleza, capital do Ceará, é fundada.

1729: Tem início a produção de diamantes no arraial do Tijuco, atual cidade de Diamantina, em Minas Gerais.

3 de maio de 1748: A Capitania de Mato Grosso é criada.
9 de maio de 1748: A Capitania de Goiás é criada e desmembra-se da Capitania de São Paulo.

17 de dezembro de 1749: Luís Pedro Peregrino de Carvalho e Ataíde, conde de Atouguia, assume o vice-rei.
13 de janeiro de 1750: O Tratado de Madri é assinado na Madri, capital espanhola, entre D. João V de Portugal e D. Fernando VI de Espanha.

31 de julho de 1750: Morte do rei português Dom João V.

1750: É determinado que o resultado do quinto não poderia ser menor do que 100 arrobas de ouro por ano. Tratado de Madri estabelece a posse portuguesa além da linha de Tordesilhas. Além disso, determinava que a Colônia do Sacramento pertencia aos espanhóis, e a região dos Sete Povos das Missões pertencia aos portugueses.5 de junho de 1751: O Estado do Grão-Pará e Maranhão é criado com sede em Belém.

31 de agosto de 1753: A Capitania de São Paulo é anexada pelo governo português.

17 de agosto de 1754: Junta de governo provisória, composta por José Botelho de Barros, Manuel António da Cunha Souto Maior e Lourenço Monteiro.

3 de março de 1755: A Capitania de São José do Rio Negro (atual Amazonas), com sede em Mariuá (atual Barcelos), é criada pela Carta Régia e desmembrada do Estado do Grão-Pará e Maranhão.

6 de junho de 1755: Lei extingue o cativeiro dos índios no Estado do Maranhão.

7 de junho de 1755: A Companhia Geral do Grão-Pará e Maranhão é criada por D. José.

23 de dezembro de 1755: Marcos José de Noronha e Brito, conde dos Arcos, assume o vice-rei. 
4 de fevereiro de 1758: Macapá, capital do Amapá, é fundada.

13 de agosto de 1759: D. José cria a Companhia Geral de Pernambuco e Paraíba.

3 de setembro de 1759: A Companhia de Jesus, os jesuítas, é expulsa dos domínios da Coroa portuguesa.

9 de janeiro de 1760: Antônio de Almeida Soares Portugal, marquês do Lavradio, assume o vice-rei.

18 de abril de 1760: Os jesuítas são expulsos da Bahia.
4 de julho de 1760: Junta governativa provisória, composta por Tomás Rubi de Barros Barreto, José Carvalho de Andrada e Barros e Alvim.

12 de fevereiro de 1761: O Tratado de El Pardo é assinado entre representantes do Império Espanhol e do Império Português.

2 de abril de 1761: Liberdade para os índios brasileiros.

19 de junho de 1761: A cultura de cana-de-açúcar é proibida por carta régia de Portugal.

1759: Expulsão dos jesuítas do Brasil, por determinação do marquês de Pombal.

1761: Acordo do Pardo (Espanha e Portugal anulam o Tratado de Madri).

27 de junho de 1763: Carta Régia eleva o país a vice-reino de Portugal. Antônio Alvares da Cunha, conde da Cunha, assume o vice-rei.

31 de agosto de 1763: A capital do Estado do Brasil é transferida de Salvador para o Rio de Janeiro que se torna a capital do Vice-Reino do Brasil.

1765: Foi decretada a derrama, pela qual obrigava-se a população mineradora a completar a soma acumulada do imposto devido

17 de novembro de 1767: Antônio Rolim de Moura Tavares, conde de Azambuja, assume o vice-rei.

1 de outubro de 1777: O Tratado de Santo Ildefonso é assinado entre D. Maria I, rainha de Portugal e Carlos III, rei da Espanha.
11 de março de 1778: O Tratado de amizade entre a Espanha e Portugal é assinado.

30 de abril de 1778: Luís de Vasconcelos e Sousa, conde de Figueiró, assume o vice-rei.

5 de janeiro de 1785: A instalação de fábricas e manufaturas no Brasil é proibida por Dona Maria I de Portugal.

17 de abril de 1768: Provisão régia que reitera a obrigatoriedade do plantio de mandioca nas fazendas brasileiras, em função do número dos respectivos trabalhadores.

4 de novembro de 1769: Luís de Almeida Silva Mascarenhas, marquês do Lavradio e conde de Avintes, assume o vice-rei.

1771: Começa a funcionar a enérgica atuação da Intendência dos Diamantes.

18 de fevereiro de 1772: É fundada a Academia Científica no Rio de Janeiro.

26 de março de 1772: Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, é fundada.

20 de agosto de 1772: A Coroa Portuguesa divide o Estado do Grão-Pará e Maranhão no Estado do Grão-Pará e Rio Negro, com sede em Belém, e o Estado do Maranhão e Piauí, com sede em São Luís.

1777: Tratado de Santo Ildefonso (a Espanha ficaria com a Colônia do Sacramento e a região dos Sete Povos das Missões, mas devolveria terras que havia ocupado nos atuais estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul).

1789: Organiza-se a Conjuração Mineira, que teve como desfecho a condenação à morte de Tiradentes 
15 de março de 1789: A Conjuração Mineira é denunciada por Joaquim Silvério dos Reis.

10 de maio de 1789: Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, é preso.

9 de maio de 1790: José Luís de Castro, conde de Resende, assume o vice-rei.

21 de abril de 1792: Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, um dos líderes da Inconfidência Mineira, é enforcado acusado de trair a nação portuguesa no Rio de Janeiro.

12 de agosto 1798: Conjuração Baiana, que contou com significativa participação das camadas populares. Esta rebelião teve como desfecho a pena de morte aplicada a João de Deus, Manuel Faustino, Lucas Dantas e Luís Gonzaga das Virgens (8 de novembro de 1799).

20 de janeiro de 1798: O correio marítimo é estabelecido.
17 de janeiro de 1799: A Capitania do Ceará veio a alcançar a autonomia administrativa de Pernambuco.
26 de dezembro de 1799: A vila da Campanha do Rio Verde, Minas Gerais, é instalada.

20 de novembro de 1800: Uma carta real escrita pelo Rei João VI de Portugal estabelece a Aula Prática de Desenho e Figura, no Rio de Janeiro. É a primeira instituição no Brasil sistematicamente dedicada ao ensino das artes.

SECULO XIX

O6 de junho de 1801: Tratado de Badajós (a Espanha renuncia à posse dos Sete Povos das Missões, e Portugal confirma o direito espanhol à Colônia do Sacramento).

14 de outubro de 1801: Fernando José de Portugal e Castro, marquês de Aguiar, assume o vice-rei.

14 de julho de 1802: A Junta da Real Fazenda da Capitania do Rio Grande de São Pedro do Sul é criada pela Carta Régia.

13 de maio de 1803: A circulação de ouro em pó é abolida nas capitanias brasileiras.

1806: Napoleão Bonaparte decreta o Bloqueio Continental contra a Inglaterra. 

14 de outubro de 1806: Marcos de Noronha e Brito, conde dos Arcos, assume o vice-rei.
1807: Recusando-se a aderir ao Bloqueio Continental, Portugal é invadido por tropas franco-espanholas. Em novembro desse ano, a família real abandona o território português, transferindo a sede do reino para o Brasil.

19 de setembro de 1807: A Capitania de São Pedro do Rio Grande do Sul é criada.
30 de novembro de 1807: Após a fuga da Família Real Portuguesa, os franceses ocupam Lisboa durante a Guerra Napoleônica.

Côrte Portuguesa vem para o Brasil

1808: D. João chega ao Brasil. Pressionado pela Inglaterra, assina o decreto da abertura dos portos, rompendo com o monopólio do comércio colonial.
4 de janeiro de 1808: A primeira máquina de impressão é instalada no país.

24 de janeiro de 1808: Chegada da família real em Salvador, Bahia.

28 de janeiro de 1808: O Decreto de Abertura dos Portos às Nações Amigas é promulgada pelo príncipe regente Dom João. Os portos do Brasil às nações estrangeiras aliadas da coroa portuguesa são abertos por carta régia.

18 de fevereiro de 1808: A Faculdade de Medicina da Bahia é fundada pelo Príncipe Regente D. João.
7 de março de 1808: D. João chega no Rio de Janeiro.
11 de março de 1808: O Ministério da Marinha e o Tesouro Nacional são criados pelo Príncipe Regente D. João. O Visconde de Anadia é nomeado como o primeiro ministro da Marinha.

16 de março de 1808: O Ministério das Relações Exteriores é criado.

1 de abril de 1808: O Conselho Supremo Militar e de Justiça é criado por alvará.

19 de abril de 1808: O estabelecimento de fábricas e manufaturas no Brasil é proibido pela derrogação do alvará de 1785.

1 de maio de 1808: D. João declara guerra à França, invadindo a Guiana Francesa.

5 de maio de 1808: A Escola Naval do Rio de Janeiro é criada como o antigo nome Corte da Academia dos Guardas Marinhas.

10 de maio de 1808: A Casa de Suplicação do Brasil (atual Supremo Tribunal da Justiça) é instituída.
1 de junho de 1808: Começa a circular o primeiro jornal brasileiro, o Correio Braziliense, publicado em Londres, Inglaterra.

6 de junho de 1808: O Museu Real é criado no Rio de Janeiro.

10 de junho de 1808: A Guiana Francesa é ocupada por ordem do regente D. João.

13 de junho de 1808: O Jardim Botânico do Rio de Janeiro é criado por Dom João VI.

27 de junho de 1808: O imposto de décima dos prédios urbanos é criado.

10 de setembro de 1808: No Rio de Janeiro, começa a circular o primeiro jornal impresso no país, a Gazeta do Rio de Janeiro.

12 de outubro de 1808: O Banco do Brasil é criado por D. João.

14 de janeiro de 1809: As forças luso-brasileiras ocupam a Guiana Francesa até 21 de novembro de 1817.
28 de abril de 1809: O primeiro bonde elétrico começa a circular em Santos (SP).

13 de maio de 1809: O Corpo da Guarda de Polícia da Corte é criado.

1 de setembro de 1809: A circulação de ouro em pó como moeda é proibida.

4 de dezembro de 1809: É criada a Academia Militar do Rio de Janeiro por Carta de Lei.
29 de outubro de 1810: A Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro é criada.

4 de dezembro de 1810: No Rio de Janeiro, o Príncipe Regente Dom João VI cria a Academia Real Militar, mais tarde chamada de Academia Militar das Agulhas Negras.

1810: Portugal e Inglaterra assinam um tratado de comércio, que fixa em 15% a taxa alfandegária (ad valorem) sobre produtos ingleses vendidos para o Brasil. Os demais países pagavam 24%, e Portugal 16%.

1 de março de 1811: O Jardim Botânico é fundado pelo Regente D. João no Rio de Janeiro.
13 de maio de 1811: A Real Biblioteca é instalada no Rio de Janeiro.

11 de outubro de 1811: O Piauí é elevado à capitania autônoma.

20 de outubro de 1811: Um armistício estabelece a retirada das tropas portuguesas da Banda Oriental (Uruguai).

13 de maio de 1812: A Relação da Capitania do Maranhão é criada.

7 de julho de 1812: O Príncipe Regente Dom João VI desmembra a Freguesia de São Pedro do Rio Grande do Sul, pertencente ao bispado do Rio Grande, erigindo a Freguesia de Pelotas.

28 de fevereiro de 1813: Revolta de escravos para ocupação de Salvador, esmagado pelas forças legais.
12 de outubro de 1813: O Real Teatro de São João é inaugurado.

16 de setembro de 1815: Maceió, capital de Alagoas, é fundada.

16 de dezembro de 1815: Dom João VI eleva o Brasil à condição de Reino Unido de Portugal e Algarves.
20 de março de 1816: D. Maria I morre no Rio de Janeiro e é sucedida pelo príncipe D. João VI. D. João VI é aclamado rei do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, aos 40 anos, após a morte de sua mãe, D. Maria I.

26 de março de 1816: A Missão Artística Francesa chega ao Rio de Janeiro.

30 de março de 1816: A Divisão Portuguesa de Voluntários Reais do Príncipe chega ao Rio de Janeiro.

30 de maio de 1816: A Missão Cultural Alemã chega ao Rio de Janeiro.

12 de agosto de 1816: A Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios, atualmente Escola Nacional de Belas Artes, é criada.

4 de dezembro de 1816: Promovida a abertura de estradas para o interior das capitanias de Minas Gerais e Espírito Santo, por Carta Régia.

9 de janeiro de 1817: Substituição do título de Príncipe do Brasil pelo de Príncipe Real do Reino do Brasil, por alvará.

20 de janeiro de 1817: Tropas luso-brasileiras ocupam Montevidéu.

6 de março de 1817: Eclode a Revolução Pernambucana, em Recife.

13 de maio de 1817: A Maria Leopoldina de Áustria casa-se com o futuro imperador Pedro em Viena.
10 de julho de 1817: Quatro líderes da Revolução Pernambucana são executados.

21 de agosto de 1817: A primeira Geografia do Brasil é publicada por Ayres de Casal.

16 de setembro de 1817: A Capitania de Alagoas é criada, desmembrando-a de Pernambuco.

5 de novembro de 1817: A arquiduquesa Carolina Josefa Leopoldina chega ao Rio de Janeiro.

6 de novembro de 1817: Príncipe D. Pedro de Alcântara casa-se com a Arquiduquesa da Áustria, Maria Leopoldina no Rio de Janeiro.
1817: Explode a Revolução Pernambucana, tendo como ideal a proclamação da república e a elaboração de uma Constituição liberal. Os revoltosos ocupam o poder, por pouco tempo. A revolução foi violentamente reprimida.

6 de fevereiro de 1818: Fim da Revolução Pernambucana.
8 de fevereiro de 1818: No Rio de Janeiro, D. João VI é declarado o rei do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. É expedido decreto de indulto aos presos do Reino do Brasil.

30 de maio de 1818: D. João VI proíbe o funcionamento de sociedades secretas.

6 de junho de 1818: O Museu Nacional é fundado no Rio de Janeiro.

1 de novembro de 1818: Início das obras da Fábrica de Ferro de Ipanema, em Iperó, São Paulo.

4 de novembro de 1819: Os primeiros imigrantes estrangeiros (não portugueses) chegam ao país com 1.400 suíços.

22 de janeiro de 1820: Batalha de Tacuarembó (Guerra contra Artigas).

8 de julho de 1820: Sergipe é elevada à capitania autônoma.
24 de agosto de 1820: Eclode em Portugal a Revolução Constitucionalista do Porto, liderada pela burguesia lusitana. Os revoltosos exigem a volta de D. João VI ao país.

28 de agosto de 1820: D. Pedro I, pela lei, regulamenta a liberdade de imprensa no país.

5 de setembro de 1820: Portugal incorpora o Uruguai sob o Banda Oriental.

23 de novembro de 1820: A Academia de Belas Artes é fundada por D. João VI.

110 de fevereiro de 1821: Revolução constitucionalista, na Bahia.

26 de fevereiro de 1821: O nome oficial do país é o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarve.
28 de fevereiro de 1821: As capitanias brasileiras tornam-se províncias.

6 de março de 1821: O Ministério da Fazenda é criado.
26 de abril de 1821: D. João VI parte do país, de volta para Portugal, deixando seu filho D. Pedro I como Regente do Brasil no Rio de Janeiro.

1 de junho de 1821: O Diário do Rio de Janeiro, o primeiro jornal diário do país, é fundado.4 de julho de 1821: Dom João VI regressa a Portugal, chamado pelas Cortes Constituintes, reunidas em virtude da revolução de 1820.
12 de julho de 1821: A liberdade de imprensa é decretada pelo Regente D. Pedro I.

31 de julho de 1821: A Banda Oriental do Uruguai é anexada com o nome de Província Cisplatina.

3 de novembro de 1821: O Ceará adere à Revolução Constitucionalista Portuguesa.

7 de setembro de 1822: D. Pedro I proclama a independência do Brasil.


Brasil Independente

 

1822: No dia 7 de setembro, D. Pedro proclama a independência do Brasil. Inicia-se o período monárquico, que durou 67 anos.

1823: Instala-se, no dia 3 de maio, a Assembleia Constituinte encarregada de elaborar a primeira Constituição do Brasil. Criando um sistema eleitoral baseado na renda em farinha de mandioca, o anteprojeto ficou conhecido como a Constituição da Mandioca. Em novembro, D. Pedro I dissolve a Assembleia.

1824: É outorgada no dia 25 de março, por decreto imperial, a primeira Constituição do país. No dia 25 de julho, explode a Confederação do Equador.
1825: Os revolucionários cisplatinos assumem o controle militar da província Cisplatina.

1826: Morre, em Portugal, D. João VI. Aberta a sucessão do trono, D. Pedro I torna-se o legítimo pretendente, mas abdica seu direito em favor de sua filha D. Maria da Glória.

1828: É assinado um tratado de paz entre Brasil e Argentina, pelo qual ambos os países aceitavam a fundação de República Oriental do Uruguai.

1831: D. Pedro I abdica o trono brasileiro em favor de seu filho Pedro de Alcântara. A Regência Trina Provisória assume o poder até junho desse ano. A partir dessa data, o governo é transferido para a Regência Trina Permanente. O período regencial vai até 1840. 

1831- Regência Trina Provisória: Governou, aproximadamente, três meses. Sua principal medida foi convocar os políticos para que se elegessem, em Assembleia Geral, a Regência Permanente.

1831-1834: Regência Trina Permanente 1831-1834: Representava o grupo dos moderados. O padre Feijó, no cargo de Ministro da Justiça, destacou-se nesse período. No final desta Regência, foi aprovado o Ato Adicional, introduzindo importantes modificações na Constituição do Império.

1832: O ministro da Justiça, padre Feijó, renuncia ao cargo.

Até 1834, três grupos políticos disputavam o poder: o dos restauradores, que defendia a volta de Pedro I; o dos moderados, que se preocupava em manter a unidade territorial do País e um regime centralizado; o dos liberais, que defendia maior autonomia administrativa para as províncias.

1834: D. Pedro I morre em Portugal.

- É aprovado o Ato Adicional, introduzindo modificações na Constituição do império.

A partir de 1834, a cena política foi conquistada pelos progressistas (aceitavam conceder autonomia para as províncias) e pelos regressistas (defendiam um governo forte e centralizado e eram contrários à liberdade administrativa para as províncias).

1835-1837: Regência de Feijó Com base no Ato Adicional, foi criada a Regência Una e o padre Feijó tornou-se regente. No período desse governo explodiram diversas rebeliões nas Províncias e o padre sofreu grande oposição dos regressistas, sendo obrigado a renunciar.

1837-1840: Regência de Araújo Lima: Araújo Lima organizou um Ministério que ficou conhecido como o Ministério das Capacidades, composto somente de políticos regressistas. Durante sua Regência, a autonomia administrativa das Províncias, concedida pelo Ato Adicional de 1834, foi reformulada pela Lei Interpretativa de 1840.

31 de agosto de 1740: A primeira escola para crianças abandonadas no país é criada.
1837-1838:  A Sabinada foi uma revolta ocorrida na Província da Bahia. Teve como principal líder o médico Francisco Sabino. O plano dos sabinos era proclamar uma República na Bahia, que duraria enquanto Pedro de Alcântara fosse menor e estivesse impossibilitado de assumir o poder. Os sabinos não tinham pretensões de alterar o quadro social existente na Bahia. Buscavam, apenas, garantir a sua autonomia política e administrativa. Diante da pressão das tropas governamentais, renderam-se em março de 1838.

1838-1841: A Balaiada foi uma revolta popular ocorrida na Província do Maranhão. Envolveu um grande número de sertanejos. Teve início com uma luta que envolveu pessoas de dois grupos políticos opostos: o bem-te-vis, que defendiam oposições liberais e os cabanos que defendiam posições conservadoras. Depois alastrou-se pelo sertão da Província, tomando rumos próprios, desordenados e sem o controle de nenhum grupo político unificado. Seus principais chefes foram Manuel dos Anjos, um fazedor de balaios, Cosme Bento, líder dos escravos fugitivos, e Raimundo Gomes, um vaqueiro. 

1840: Termina o Período Regencial, com a decretação da maioridade de D. Pedro II. Início do Segundo Reinado.

É aprovada a lei interpretativa do Ato Adicional, limitando a autonomia das províncias.

1842: Revolta dos liberais em São Paulo e Minas Gerais.
1847: É criado o cargo de presidente do Conselho de Ministros.

Introdução dos primeiros imigrantes na fazenda de café Ibicaba, em São Paulo.

1848: Explode a Revolução Praieira, a última grande revolta liberal do império.
1850: É extinto o tráfico de escravos no Brasil.
1854: Inauguração da primeira estrada de ferro do Brasil.
1865: Início da Guerra do Paraguai.

1870: Fim da Guerra do Paraguai.

-É publicado o Manifesto Republicano, no Rio de Janeiro.

1873: É fundado o Partido Republicano Paulista, na Convenção de Itu, em São Paulo.
1888: É promulgada a Lei Áurea, declarando extinta a escravidão no Brasil.

República

15 de novembro de 889: Fim do império, proclamação da república.
1889: Instalação do governo provisório da república. Presidente: Marechal Manoel Deodoro da Fonseca. Vice-presidente Marechal Floriano Vieira Peixoto.

1891: É promulgada a primeira Constituição da República.
Marechal Deodoro da Fonseca é eleito, pelo Congresso Nacional, presidente da república. Em novembro desse ano, renuncia ao cargo. 

 23 de novembro de 1891: o Marechal Floriano Vieira Peixoto assume o poder. Não tinha vice.

1892: Manifesto dos Treze Generais, exigindo a convocação de novas eleições presidenciais. Primeira Revolta da Armada.

1893: Explode a Segunda Revolta da Armada, liderada pelo almirante Custódio José de Melo. Tem início a Revolução Federalista, no Rio Grande do Sul.

15 de novembro de 1894: Tem início o governo de Prudente José de Morais e Barros do Partido Republicano Federal - PR Federal. Vice-presidente: Manuel Vitorino Pereira.

1894: Antônio Conselheiro começa a organizar o arraial de Canudos.

1897: O arraial de Canudos é destruído por tropas federais.
15 de novembro de 1898: Têm início o governo de Manuel Ferraz de Campos Salles- Partido Republicano Paulista - PRP- Vice: Rosa e Silva, e a montagem da política dos governadores.

SÉCULO XX

15 de novembro de 1902: Assume a presidência Francisco de Paula Rodrigues Alves- Partido Republicano Paulista - PRP- Vice Silviano Brandão de Afonso Pena.

1903: O Acre é incorporado ao Brasil, pelo Tratado de Petrópolis, encerrando-se disputas com a Bolívia.

1904: Revolta da Vacina, no Rio de Janeiro.

1904: Osvaldo Cruz introduz a vacinação obrigatória contra a varíola, o que desencadeará uma revolta no Rio de Janeiro.

11 de outubro de1905: começa a distribuição do primeiro número do Tico-Tico, pela editora O Malho, onde a estrela é Buster Brown de Outcault, com o pseudônimo de Chiquinho.

5 de novembro de 1906: Presidente Afonso Augusto Oliveira Pena - Partido Republicano Mineiro- Vice: Nilo Procópio Peçanha.

1906: O Convênio de Taubaté propõe soluções para a crise de superprodução do café. Os governos estaduais deveriam comprar e estocar a produção excedente.

1909: Com a morte de Oliveira Pena assume a Presidência Nilo Procópio Peçanha- Partido Republicano Fluminense.

- Carlos Chagas descobre o trypanosoma cruzi, agente etiológico da doença que leva o seu nome.

1910: Revolta da Chibata, no Rio de Janeiro.

1912: Início da Guerra do Contestado, movimento messiânico.
1914: Início da Primeira Guerra Mundial, que se prolonga até 1918. Nesse período, o processo industrial brasileiro recebe grande impulso.

1916: Fim da Guerra do Contestado.

1920: Cresce o descontentamento social contra o tradicional sistema oligárquico que dominava o país.
1922: Revolta do Forte de Copacabana (Os 18 do Forte), sendo a primeira revolta do movimento tenentista. Desenvolve-se em São Paulo a Semana de Arte Moderna.

1924: Eclode em São Paulo outra revolta tenentista contra o governo federal. Tem início a Coluna Prestes.

1929: O mundo ocidental é abalado por uma grave crise econômica, refletida no Brasil pela violenta queda dos preços do café.

-Formação da Aliança Liberal (Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraíba).

1930: Estoura no Rio Grande do Sul a Revolução de 1930, que forçou a deposição de Washington Luís, dando um fim à República Velha.

Ditadura de Getúlio Vargas

-Instala-se o governo revolucionário de Getúlio Vargas.
1932: Eclode a Revolução Constitucionalista.

-Fundação do Integralismo (AIB).

1933: Realizam-se eleições para a escolha dos membros da Assembleia Nacional Constituinte.

1934: É promulgada a segunda Constituição da República.
1935: O governo decreta o fechamento da Aliança Nacional Libertadora. Eclodem rebeliões militares em batalhões do Rio Grande do Norte, de Pernambuco e do Rio de Janeiro (Intentona Comunista).
1937: Tem início o Estado novo. Uma nova Constituição é imposta ao país.

1939: Início da Segunda Guerra Mundial.

1941: Fundação da Companhia Siderúrgica Nacional, marco do desenvolvimento industrial brasileiro.
1942: O Brasil declara guerra às potências do Eixo.
1944: A FEB (Força Expedicionária Brasileira) vai para a Itália.

1945: As Forças Armadas obrigam à renúncia de Getúlio Vargas.

-Fim da Segunda Guerra Mundial.

- Início da Guerra Fria: EUA - URSS

Fim da Ditadura de Getúlio Vargas

1946: É promulgada a quarta Constituição da República.
- Início do governo Dutra.

1947: O governo Dutra decreta a extinção do Partido Comunista.

1951: Getúlio Vargas, por eleições populares, retorna à presidência da república.

1953: O governo Vargas cria a PETROBRÁS.
1954: O governo concede aumento de 100% aos assalariados.
24 de agosto de 1954: Vargas suicida-se.

1955: Juscelino Kubitscheck é eleito presidente da República.

1956: O governo de Juscelino, com base em seu Plano de Metas, empreende diversas realizações desenvolvimentistas.

1960: Inauguração de Brasília.

Jânio Quadros é eleito presidente da república.

25 de agosto 1961: Renúncia de Jânio Quadros que realiza um curto período de governo.
-O vice-presidente João Goulart assume sob o sistema parlamentarista.

1963: Um plebiscito popular revela a preferência dos brasileiros pela volta do sistema presidencialista.

Revolução de 1964

1964: Um golpe militar derruba João Goulart da presidência da república.

- O marechal Castelo Branco assume a presidência da república em nome do movimento militar que depôs João Goulart.

1965: Extinguem-se todos os partidos políticos, instituindo-se o bipartidarismo (ARENA e MDB).

1967: É promulgada uma Nova Constituição Federal.
- Costa e Silva assume a presidência da república.

1968: É editado o Ato Institucional nº 5.

1969: Em razão da doença de Costa e Silva, uma Junta Militar assume o poder, impedindo a posse do vice-presidente Pedro Aleixo. A Junta Militar entrega o poder ao general Médici.

1973: O país vive o período do "milagre brasileiro".
1974: Início do governo do general Geisel.

1979: início do governo do general João Figueiredo. Promove-se a abertura política.

1982: Em 15 de novembro realizam-se em todo o país eleições diretas para governador de estado.
1983: A crise econômica do país agrava as tensões populares.

Diversos supermercados são saqueados.

1985: Fim do regime militar.

-Tancredo é eleito presidente, mas falece antes de tomar posse.

-Início do governo de Sarney.

1986: Plano Cruzado I e II.

1988: Promulgação da oitava Constituição do Brasil (5 de outubro).

1989: É realizada a primeira eleição direta para presidente da república em quase 30 anos.

1990: Posse do presidente eleito, Fernando Collor de Mello.

-Plano Collor I.

1991: Plano Collor II.

Impeachment do presidente Collor

1992: Impeachment do presidente Collor. Assume o vice Itamar Franco.

29 de dezembro de 1992: Itamar Franco assumiu a presidência após o Impeachment de Fernando Collor de Mello de forma interina entre outubro e dezembro de 92, e em caráter definitivo em 29 de dezembro de 1992. O Brasil vivia um dos momentos mais difíceis de sua história: recessão prolongada, inflação aguda e crônica, desemprego, etc. Em meio a todos esses problemas e o recém Impeachment de Fernando Collor de Mello, os brasileiros se encontravam em uma situação de descrença geral nas instituições e de baixa autoestima.

O novo presidente se concentrou em arrumar o cenário que encontrara. Itamar procurou realizar uma gestão transparente, algo tão almejado pela sociedade brasileira. Para fazer uma gestão tranquila, sem turbulências, procurou o apoio de partidos mais à esquerda.

Abril de 1993: plebiscito para a escolha da forma e do sistema de governo no Brasil. O povo decidiu manter tudo como estava: escolheu a República (66% contra 10% da Monarquia) e o Presidencialismo (55% contra 25% do Parlamentarismo).

1992 a 1994:  Plano Real. No governo de Itamar Franco foi elaborado o mais bem-sucedido plano de controle inflacionário da Nova República: o Plano Real.O plano visava criar uma unidade real de valor (URV) para todos os produtos, desvinculada da moeda vigente, o Cruzeiro Real. Desta forma, cada URV correspondia a US$ 1. Posteriormente a URV veio a ser denominada “Real”, a nova moeda brasileira. O Plano Real foi eficiente, já que proporcionou o aumento do poder de compra dos brasileiros e o controle da inflação.

1994: Itamar Franco terminou seu mandato com um grande índice de popularidade. Uma prova disso foi o seu bem-sucedido apoio a Fernando Henrique Cardoso na sucessão presidencial.

1 de janeiro de 1995/ 1 de janeiro de 2003: Governo Fernando Henrique Cardoso

1997: FHC deu continuidade ao processo de reformas estruturais com a finalidade de evitar a volta da inflação, procurando deixar a economia estável.

- Privatização de várias estatais brasileiras, como a Companhia Vale do Rio Doce (empresa do setor de mineração e siderurgia), a Telebrás (empresa de telecomunicações) e o Banespa (banco pertencente ao governo do estado de São Paulo). A compra das empresas estatais ocorreu, sobretudo, por grupos estrangeiros, que faziam aquisição das ações ou compravam grande parte dessas, assim, tornavam-se sócios majoritários.

- FHC enviou e aprovou a emenda da reeleição, tornando-se candidato outra vez à presidência da república e ainda tendo Lula como seu principal adversário. O Plano Real e o controle da inflação continuou sendo sua principal propaganda política, o que favoreceu a FHC mais uma vitória nas urnas, conseguindo a reeleição.

1999: segundo mandato de FHC

- Reformas no setor da Educação, sendo aprovadas no ano de 1996 as Leis de Diretrizes e Bases para a Educação (LDB), e posteriormente foram criados os Parâmetros Curriculares para o Ensino Básico.

SÉCULO XXI

2003–2010: Governo Luiz Inácio Lula da Silva- Seu mandato caracterizou-se pela não interrupção da estabilidade econômica do governo anterior, manutenção da balança comercial com superávit e intensas negociações com a Organização Mundial do Comércio (OMC).

2004: instituído o programa Bolsa Família, reformulado e fundido em um só programa de transferência de renda, provê famílias que se encontram em estado de pobreza e também as que estão em um nível baixíssimo de pobreza

Novembro de 2003: Criado o programa -Luz para todos- com o objetivo de proporcionar energia elétrica a 10 milhões de brasileiros moradores de áreas rurais, até o ano de 2008, concedendo a todos os brasileiros o direito à luz. Contemplados: 7,2 milhões.

2004: Instituído o Pro Uni (Programa Universidade para Todos) e o Enem – Exame Nacional do ensino Médio.

Durante o governo Lula ocorreu, o escândalo dos Correios e vários outros que derrubaram diversos ministros, entre eles José Dirceu, Antônio Palocci, Benedita da Silva, Luiz Gushiken, entre outras personalidades de peso dentro do PT.

Entre 2005 e 2006: Mensalão é o nome dado ao escândalo de corrupção política mediante compra de votos de parlamentares no Congresso Nacional do Brasil, 

No endereço anterior
essa pagina recebeu
Presidente Prudente de Morais
Presidente Deodoro da Fonseca
Presidente Campos Sales
Presidente Lula da Silva
Presidente Collor de Mello
Presidente Washington Luiz
Carlos Chagas
Oswaldo Cruz
Presidente Ranieri Masilli
Presidente Wenceslau Brás
Presidente Nereu Ramos
Presidente Jânio Quadros
Presidente Café Filho
José do Patrocínio
Presidente João Goulart
Machado de Assis
Zumbi dos Palmares
Presidente Delfim Moreira
Presidente Epitácio Pessoa
Presidente José Sarnei
Presidente Gaspar Dutra
Presidente Getúlio Vagas
Presidente Fernando Henrique Cardoso
Guerra dos Mascates
Primeiro Bispo D. pero Fernandes Sardinha foi morto pelos índios
Presidente Artur Bernardes
Presidente José Linhares
Fernão de Maalhães
Américo Vespúcio
Caramurú
Tomé de Sousa
Pedro Alvares Cabral
Martinho Afonso de Sousa
Bartolomeu de Gusmão
Princesa Isabel assina lei Áurea
Jardim Botânico Rio de Janeiro
Biblioteca Nacional Rio de Janeiro
D. João VI
D. Pedro II
Maria Tereza de Bourbon
Padre Diogo Feijó
PresidenteFloriano Peixoto
Fernão Dias Paes
D. Pedro I
Tiradentes
 Presidente juscelino Kubitschek
Carlos Chagas
iTAMAR fRANCO
Floriano Peixoto